29 de março de 2017

BBB17, a pior edição de todos os tempos!


Com novo apresentador, quadro de repórteres renovado, a participante mais velha da história do reality show e a primeira amputada a ser confinada, Big Brother Brasil 17 tinha tudo para dar um novo fôlego ao programa, no ar desde 2002. Em sua reta final, no entanto, a atual edição se firma como a pior de todos os tempos. 
Tiago Leifert, o substituto de Pedro Bial, não empolgou, e ainda atrapalhou. 
Um quadro com fantoches não durou nem um mês.
Insossos e sonolentos, os participantes não despertaram a torcida do grande público. 


A audiência também decepcionou: até domingo (26), BBB 17 registrava média diária de 22,4 pontos, a segunda pior da história _ganha apenas do BBB 14, que teve 21,7. É menos da metade, porém, dos 47,5 registrados no recordista BBB 5, que teve Jean Wyllys e Grazi Massafera. 

"Acredito que o BBB 17 seja realmente a pior edição de todos os tempos. Quase nenhum participante conseguiu construir uma história própria. Marcos [Härter] e Emilly [Araújo] se sobressaíram por pura falta de competição. Inclusive, fico imaginando o quanto eles poderiam ter rendido numa temporada com adversários de maior personalidade", diz o especialista em cultura pop Chico Barney, que se gaba de ter acertado todos os vencedores do BBB. 
A participação da italiana Elettra Lamborghini até deu uma movimentada na casa e na audiência. A média da semana que contou com a estrangeira foi a maior da edição. Porém, assim que a herdeira da montadora italiana saiu do reality, tudo parece ter voltado ao marasmo de sempre, um indício de que o processo de seleção do elenco errou feio. 

"Passou a impressão de que os participantes enganaram muito bem a produção _ou a linha de corte 'editorial' pretendida pelo programa nessa temporada foi completamente equivocada. Os twists [chacoalhadas, algo inesperado] pareceram criados de última hora, meio nas coxas. Reciclaram ideias antigas. 
Existem tantos exemplos bons de twists do Big Brother ao redor do mundo, poderiam copiar de outros lugares, em vez de só revirar a própria gaveta", critica Barney. 
A seguir, cinco motivos pelos quais o BBB 17, antes mesmo de sua conclusão, já pode ser considerado o pior da história: 

Para substituir Pedro Bial, Tiago Leifert quis fazer tudo diferente de seu antecessor no posto. 
Tiago Leifert e suas interferências: Com a difícil missão de substituir Pedro Bial, Leifert tentou diminuir ao máximo as comparações com o seu antecessor: não fez discursos poéticos no momento das eliminações, ganhou uma mesa de controle para poder participar do jogo e tentou criar uma relação de amizade com os confinados. 
Errou, porém, ao interferir no jogo com as sugestões que deu aos competidores, como quando a casa foi dividida em duas pelo muro e sugeriu que o lado mexicano deveria mentir sobre o líder da semana (Marcos) ao grupo rival, que acreditava que Marinalva tinha vencido a prova. Na tentativa de mobilizar o jogo, Leifert apenas incendiou a conversa sobre manipulação do BBB. 
Vivian (à esq.) foi miss Amazonas em 2012; já a paratleta Marinalva participou até do Encontro de Fátima Bernardes, após as Olimpíadas do Rio. Se a proposta do BBB é de confinar anônimos em uma casa, a edição deste ano se desvirtuou. O apagado Luiz Felipe Ribeiro foi mister Alagoas 2013 e até a veterana Ieda Wobeto foi miss Canoas em 1964. 
Rômulo Neves e Ilmar Fonseca já tinham envolvimento com a política do Centro-Oeste e Marinalva de Almeida participou dos Jogos Paralímpicos do Rio-2016. Sua história de superação no esporte a levou ainda para o Encontro com Fátima Bernardes. Difícil se identificar com esses anônimos quase famosos. 
Marcos e Emilly mais brigaram e transaram do que namoraram durante o confinamento. 
Casal sem apelo. Como "novela da vida real", toda edição do BBB precisa de um casal apaixonado pelo qual o público pode torcer. Tem sido assim desde a estreia, quando a modelo Vanessa Pascale e o cabeleireiro Serginho Campo formaram um par _ela ficou em segundo e ele em quarto. 
Nos anos seguintes, tivemos Manuela Santos e Thyrso Mattos


               Dhomini Ferreira e Sabrina Sato, 

                   Grazi Massafera e Alan Santos. 

                Diego Alemão e Iris Stefanelli 
Max Porto e Francine Piaia, Maria Melilo e Wesley Schunk, Fernanda Keulla e André Martinelli, Vanessa e Clara, Fernando Medeiros e Aline Gotschalg, Cacau Gomes e Matheus Lisboa. Pelo menos um de cada casal chegou à final do reality, embalado pela torcida. 
O mesmo não pode ser dito de Marcos Härter e Emilly Corrêa. A estudante de 21 anos e o cirurgião plástico de 38 tiveram infinitas DRs, brigaram por motivos fúteis e não apresentam muito em comum além do sexo, Em um momento infame, Emilly perguntou o que Marcos via de positivo nela. "Você beija bem, transa legal", respondeu ele. Difícil torcer por um casal em que nem mesmo os dois diretamente envolvidos veem futuro na relação. 
Os fantoches de Os Silva deveriam substituir as charges, mas foram excluídos do reality show. 
Na tentativa de reinventar o reality, as tradicionais charges de Maurício Ricardo foram trocadas por uma família de fantoches, Os Silva. Nem mesmo dubladores famosos, como Lúcio Mauro Filho e Heloísa Périssé, salvaram o quadro do fracasso completo _antes mesmo de completarem um mês no ar, Os Silva foram eliminados do programa. Vexame similar à participação de Marisa Orth na apresentação da primeira edição. 
Rafael Cortez no quadro em que comenta a repercussão do reality: nem a web comprou. 
Contratado pela Globo em 2016, o ex-CQC ainda não conseguiu provar que merece seu espaço na emissora. Seu quadro semanal no BBB, em que comenta os comentários que internautas fazem sobre o reality, deveria ser engraçado, mas passa longe disso, não muito diferente das reportagens que ele fazia no programa da Band. 
A repercussão na internet do quadro sobre a própria web é tão ruim que até Cortez já fez (ou tentou fazer) piada com a situação. "Hoje é um daqueles dias que tem meu quadro no BBB, apareço na Globo, os haters xingam muito no Twitter e eu entro pro trending topics!  
Autor: LUCIANO GUARALDO - Publicado em 28/03/2017, 
 28/03/2017, às 06h00

28 de março de 2017

Apenas um desabafo chatíssimo!


Houve um tempo que eu torcia como uma desesperada pelos meus favoritos. Nem sempre eles ganhavam. Eu ficava chatiadíssima com as manipulações de Boninho e as inconveniências de Bial, nem sempre procedendo com a elegância e o comedimento que se espera de um apresentador grisalho e com o histórico brilhante de jornalista e escritor que ele ostenta, merecidamente. 
A última vez que torci apaixonadamente foi por Marcelo Dourado, no memorável BBB10. Daí por diante, comparava os participantes com Dourado, com Dommini, com Francine/Max, com Alemão/Íris, com o trio Jean Wyllys(hoje um nojo), Grazzi e Pink. Nenhum chegava a amarrar as chuteiras, desses participantes. Tive uma recaída com Ana Paula Arnault no BBB16 pela figuraça que ela foi. 
Minha torcida passou a ser mais contra que a favor. Foi assim que descobri que é uma libertação não sentir entusiasmo por nenhum, levar na brincadeira o que realmente nada tem de sério. Esta postura solidificou-se, quando passei a acompanhar A Fazenda. 
Apenas nas primeiras três edições torci por alguém, justamente os que venceram. A partir de então a manipulação do diretorzinho e as macaquices de Brito Junior foram um balde de gelo em qualquer possibilidade de torcida. 
Sem torcer por nenhum, passei a me divertir muito com as mazelas do Reallity da Record. 
Neste BBB17, bati meu próprio record de frieza. Gostei de alguns, como Rômulo, Daniel, como ainda gosto de Ieda e Vivien. Isto porque não me interessa essa idiotice de “protagonismo” (coisa mais sem noção), que algum abestado inventou, não importando se é um canalha ou uma mau caráter que centraliza as ações nefastas que acontecem na casa. Também acho uma baita bobageira essa invencionice cretina de que é preciso “construir uma história na casa”, um enredo, como se o BBB fosse um filme, uma novela. Ignoro quem foi ao imbeciloide que inventou tais asneiras. 
Então, só será campeão quem for o protagonista, o que criar uma história e “carregar o BBB nas costas (outra asneira sem noção). 
O principal no BBB não é nada dessas três invencionices de torcidas enlouquecidas, para valorizarem seus pífios favoritos, o eixo principal é a CONVIVÊNCIA, O BBB é um jogo de convivência, entre pessoas estranhas em situação de confinamento. É também e fundamentalmente um JOGO limpo, inteligente, sem perda do respeito pelo adversário. O mais é palhaçada, invencionice de twitteiros, que com essas novas regras, promovem os maiores trastes como merecedores do Prêmio. 
Caráter, integridade, autenticidade, educação, gentileza, tolerância, boa conduta e sentimento de honra não é mais levado em conta, tudo quanto traduz uma saudável e humanizada convivência foi para o ralo. O BBB tornou-se uma caricatura do que já foi e os participantes, em sua maioria, seres caricatas se comparados com aquele campeões que levantavam as arquibancadas, estouravam os números nas votações, ganhavam as páginas das revista e jornais e arrebanhavam grande parte da população. 
Esse três que formam o trio fubeca que estão sendo aplaudidos como os grandes participantes dessa falida edição, os formidáveis protagonistas, os que gloriosamente representam a moral e os bons costumes, a probidade e a integridade do ser humano, exemplos de bom caráter e mestres em boa convivência (não para mim, acho-o o que há de pior em todas as edições) retrata com excelência a decadência, não só do BBB, como da sociedade nos dias atuais. 
Mas não terminou, ainda vamos testemunhar muitas cenas deprimentes. Quero ver se Marcos vai mesmo abrir mão do prêmio em favor de Emilly e se Mamão vai aceitar, de bom grado, essa palhaçada final. 
Não acredito que a bisca saia campeã, Só não sei quem, do trio, vai lhe puxar o tapete para o tombo final. 
Ilmar, que mais uma vez deu uma justificativa pífia para meter Dani no paredão, acusando-o de ter abandonado a prova cedo demais, esqueceu que Emilly saiu junto com ele. Portanto, usou dois pesos e duas medidas. 
Fez isso por covardia? Não! Fez porque sabe que ela tem uma grande torcida e, assim como Marcos, quer ir a reboque na popularidade dela. Simples assim. Ali não tem essa de amor, de cuidar, de proteger e outras babaquices hipócritas. O que cuidam, protegem e não largam (mesmo já não suportando a chatice da sirigaita) é a vantagem que ela oferece de levá-los à reboque até a final. 
Estou assistindo a tudo de camarote! Nem desgosto de Mamão, apesar de achá-lo chatérrimo. Mas tem a alma boa, é um bobão de bom coração, o amor que sente pelo filho é enternecedor. Como  o que me interessa são as qualidades da pessoa enquanto ser humano, sua convivência decente com os demais, sua humildade e conteúdo espiritual, não o rejeito. Ele não me inspira o repúdio que me inspira o casal nojinho. 
Amei esse comentário escrito no blog:

Anônimo disse...
Concordo plenamente com vc, mas infelizmente nem o bbb nem a fazenda fazem vencedores com esse perfil.
O lance é só curtir como um programa,sem torcer pra ninguem.
E que vença o mais safado, o que mentiu mais, o que se vitimizou mais e etc.
Uma coisa é certa, nenhum deles vai depositar um centavo na minha conta então..."   

É isso aí. LACROU!

28 de março de 2017 14:16


E o reality da Record Power Couple já está montado e parece bem melhor qu
e o do ano passado, que foi porreta. Gostei dos casais. Depois escreverei sobre o tema.

Aeliminação de Dani e os chiliques da pestinha



De todos que saíram do BBB17, Daniel foi o único que me emocionou e entristeceu. Não pude conter as lágrimas, quando vi a forma digna como ele se despediu de todos, abraçando com sinceridade Ilmar. Foi bonito aquele abraço de dois homens que tem bondade no coração. Principalmente considerando que Ilmar o meteu no paredão. Isto não parece ter tido um peso maior que a humildade e grandeza de alma do Gigante maravilhoso que só deu exemplos de integridade, caráter impecável e generosidade. Aquele gesto, somado à sincera tristeza de Ilmar com a saída de Dani (no fundo ele sabe que o motivo que alegou foi fútil, pois Emilly abandonou a prova junto com ele). A atitude de Mamão contou pontos para mim. Pena que ele tenha se juntado com Marcos e Emilly. 
Mas o que valeu mesmo, foi a recepção de Tiago, dizendo ao Grandão as palavras redentoras: que ele saiu da casa integro como entrou, que só deu provas de bom caráter. 

Admirável o respeito e o orgulho que ele tem da mãe que o criou com o salário de empregada doméstica. Lindo, quando a elogiou e agradeceu por tudo e a puxou para a passarela para um abraço amoroso. Grande Daniel! Pensar que perdeu para uma bisca que se envergonhava da mãe e a apresentava às amigas como a empregada da casa. 

Bom gente, vamos ver como se comportou a companheira de paredão de Dani: a pilantrinha insuportável, que exala futilidade por todos os póros. Quer ficar por dentro do que rolou na na segunda-feira, 27/3 com o casal mais fake de todos as edições do BBB?? Simbora, vou tentar resumir o baile todo! 
Vamos, que estou doidinha para umas trollagens. Gente, nem precisa contar todas as tretas e discussões do parzinho mais romântico da paróquia, pois passaram o dia todo na brigalhada mais gostosinha. 
Por sinal, antes que eu esqueça, já notaram que aquela Emillizinha fofinha da semana em que estava separada de Marcos, bastou ele retornar com a fudelância, para ela tirar a máscara da meiguinha e voltar ao seu estado natural de demônia filha do capeta? 
Pois é, hoje ela estava endemoniada. O que essa insuportável aporrinhou Marcos, ultrapassou todos os limites do abuso e da grosseria. A reação dele era a de sempre, tapava os ouvidos e se afastava, dizendo que já não suporta mais tanta discussão. Antes do paredão, ainda estavam sem conversar. Ela insistiu para fazerem as pazes, sem que ele cedesse, ficou firme e forte. 
Ao ser anunciada a eliminação de Dani, mais uma vez, observei a cara de decepção que ele fez. A Diaba havia escapado de mais um paredão. A saída dela seria uma libertação, já que ele não tem peito para dar um passa fora definitivo nessa piranhete que inferniza sua vida no confinamento. Depois do paredão, ele ficou com ela, mas sem grandes efusões, deitados no gramado, com Ilmar. 
Ela ficou quieta até Mamão dizer que estava triste com a saída de Dani, e Marcos concordou. A ferinha pulou nos cascos danada da vida com os dois, indignada porque não estavam felizes com a volta dela do sexto paredão (tadinha, insiste que foram 6 em vez de 4, até nisso é megalômana), e foi tanto bla, blá, blá, que Ilmar se cansou de explicar que a alegria deles com a volta dela nada tinha a ver com o sentimento de pena pela saída de um cara bom como Dani. Vendo que era tempo perdido, Mamão levantou-se e foi ficar sozinho no quarto do líder. Ela continuou ruminando as cobranças para Marcos, até que ele, não suportando mais tanta tortura mental, levantou-se e deixou-a falando sozinha, indo para o quarto preto. 
A bisca não se deu por vencida, foi se meter no quarto do líder para uma nova sessão de tortura chinesa com o paciente e tolerante Ilmar, repetindo exaustivamente a mesma lenga-lenga da menininha abandonada pelos únicos amigos na casa, que não se alegraram com a vitória dela, que ficaram lamentando a saída de Dan, sem enxergarem que era o mesmo que desejarem que ela tivesse saído, e blá,blá,blá... 
Gente, Mamão é o melhor dos três. Que paciência! Marcos ainda tem a vantagem de fornicar com a bisca. Mas, Ilmar... Porque se submete a tanta aporrinhação de uma garota fútil, abestadinha, cansativa e um monstrinho de egoísmo. A Bisca é incapaz de um gesto de altruísmo, de generosidade, vivendo no limitado círculo do próprio egoísmo doentio? 
A Gambarzinha até chamar Marcos de bipolar, para justificar as mudanças de humor dele, ela falou para Mamão. O que ela não enxerga é que o cara está pelas tabelas com ela, sem tesão para conversas, sem suportar mais suas conversas fúteis e rasteiras e sem saber como sair da situação. 
Pois, da vez que romperam, ela não desgrudou dele nem um minuto, ficou toda meiguinha, um docinho de menina. Era “meu bem” para cá, “meu bem” para lá, um xodó dos infernos! Só para tê-lo novamente no cabresto. Esse tipo de mulher chiclete é difícil de desgrudar, ainda mais quando tem interesses outros de ordem financeira. Ela sabe que Marcos tem potencial para se tornar um homem rico, portanto, na incerteza de que ganhará o prêmio milionário, quer se garantir com ele. 
Marcos e Emilly começaram a discutir no Quarto Preto. A Gambazinha reclamava que foi deixada de lado a tarde inteira. Ilmar pede que ela perdoe o gaúcho, mas ela diz que o médico não pediu desculpas por nada. Emilly resgata a discussão que teve antes com Marcos no jardim. Ele tenta se defender, mas Emilly avisa que não quer conversa. "Quando eu tentei ficar perto, você...", começa o médico. "Marcos, eu te questionei porque fiquei sozinha", corta a emparedada. 
Marcos, então, fala: "Mas tu não podias passar por cima?". Emilly volta a dizer que sentiu necessidade de questionar a ausência do gaúcho e Marcos se defende. Emilly, então, corta a conversa: "Eu não quero te ouvir. Vou ficar gritando para você parar de falar". "Quando a companhia não está agradável", diz Marcos, saindo do cômodo. "Sua companhia é que não está agradável", responde Emilly. Olha que gracinha! Como se amam! 
No jardim da casa do BBB, Marcos voltou a discutir com Emilly: "Você quer que eu fique sofrendo e tomando teus coices? Você não estava afim de conversar", ele diz para a emparedada. Vai vendo o nível da baixaria a que chegaram. 
A estudante insiste que a culpa não é sua: "Quem disse que eu não estava afim de conversar? Você tentou conversar comigo?". Marcos responde: "Eu não quero discussão, vou voltar para o Ilmar. Você tem que repensar quando as pessoas vem conversar com você. Não quero discussão", ele diz, e se encaminha para o Quarto do Líder. Lá, ele disse para o amigo: “Já não suporto mais as conversas fúteis de Emilly”. 
No final da tarde, quando chegou para ficar perto da bisca no jardim, Marcos foi questionado por ela, porque ele a deixa sozinha no confinamento
A emparedada está deitada numa toalha no chão apoiada em almofadas. Marcos chega para se juntar a ela e logo ouve uma reclamação: "Muito obrigada! Um dia antes do Paredão, eu só tenho você, e me deixa horas aqui sozinha. Eu vou para perto de vocês e você se afasta. Dá licença, Marcos! Você só quer ficar perto de mim para tirar sarro". 
O médico rebate: "Nada a ver. Eu te vi bem individualista lá dentro. Eu tenho minha vida aqui. Eu não sou teu empregado". Vai vendo que relação harmoniosa e linda! 
Emilly até na hora de fazer as malas tenta queimar Marcos, herança maldita! 
Gente, relatei tudo isto para refletirmos acerca do quanto esta Bisca está queimando o Médico! Ela não perde a oportunidade de criticá-lo, destratá-lo, tudo bem embutido nas brigas. Tanto ridiculariza-o apontando seus defeitos físicos (pé de aranha, pinto miojo, pernas finas de caniço, cabelo parecido com cachorro poodle, bipolar, bafo de bosta, etc, etc.) Isto sem contar as palavras acusatórias e críticas que fala em seus incansáveis mimimimim. 
Ela é muito capaz de detonar com ele nesta fase final do jogo. Emilly é cobra criada, maldosa, fria e calculista. Aliás, ele já está bem prejudicado (também por culpa do comportamento inconsequente). Não sei se num paredão dos dois ele é o que permanece no jogo. Não gosto dele, mas gosto menos ainda dela. Os dois juntos me dão náuseas.


27 de março de 2017

Daniel, você me mata de orgulho!

Nunca vi Daniel tão humilhado como nos dias em foi obrigado a conviver com o trio Nojinho no lado mexicano da casa. Foi um alívio quando o vi voltar para o lado americano, um lugar bem mais leve, menos baixo astral, onde não era mais criticado e mal avaliado por Ilmar e Marcos, além de acusado pelo primeiro de ser X9, com a mesma maldade que está sendo rotulado como Gay pelo fodão Marcos. Claro que tudo isso dito pelas costas! Mas, não se trata de maledicências, deusulivre, são apenas análises comportamentais, pois o trio nojinho nunca faz fofocas... São tudo de bom! Gente absolutamente do bem e sem falhas. São a elite da casa, o resto são pessoas inferiores, refugos humanos!
Dani é sensível e crédulo em relação às pessoas com as quais convive. Imagino como ele se sentiria se soubesse o que Ilmar falava dele pelas costas, lançando dúvidas sobre sua honestidade e caráter. Rotulá-lo de X9 foi uma indignidade, tão grave quanto chamá-lo de gay, foi falta de respeito com um homem humilde, sem o nível de instrução dos demais, mas que só tem dado provas de integridade moral, de retidão de caráter, de lealdade, de generosidade, além de merecer nota mil em convivência. 
Gosto muito de Daniel, desde o início do programa. Ele nunca me decepcionou com baixarias. Alguns dizem que ele é Planta! Como? Ele é bem ativo, já ganhou duas provas de Anjo e duas lideranças, ajuda em todas as tarefas domésticas, participa das festas como um dos mais animados, fez parte da Banda Confination, foi monstro duas vezes com a maior boa vontade. O que querem mais? Dani, você é um cara 
medalha de ouro! Je t´aime, mon cher ami!
Infelizmente, no BBB nem sempre é a pessoa com o melhor caráter que vence a bagaça, 
e sim aquele que vende até a alma ao diabo para ser o campeão, é o que usa os outros, que é maledicente, que forma casal e fornica ruidosamente e faz alianças por interesse, fingindo uma avassaladora e fiel amizade para chegar mais facilmente à vitória… O que se passa no BBB não é muito diferente do que se passa em nossa hipócrita sociedade, com valores decadentes e ausência de limites e freios morais. 
Daniel chamou minha atenção, desde as primeiras semanas, não somente por ser o mais bonito da casa, 
como pelas qualidades que eu via nele.

Dani é um homem Bom, tranquilo, nada afeito à discussão, ao conflito e ao confronto. Apesar do porte agigantado e fortão, é um homem extremamente delicado, gentil, educado, companheiro, puro, afetuoso, tímido, meigo, bem humorado e respeitador
Deve ser muito agradável conviver com ele, poder bater longos papos sobre a vida, sobre nossas aflições, enfim tê-lo como amigo e confidente.  
Como muito bem escreveu um comentarista do PilotandoTV: "Infelizmente quando o BBB começa, a insanidade parece tomar conta de muitos. E um jogo que poderia ser interessante, divertido, torna-se algo pesado, eivado de ódio, de uma necessidade desesperada de derrotar e esmagar. Sim, não basta votar para alguém sair. Tem que defenestrar com índice altíssimos que denotam rejeição. Torna-se um jogo de vale tudo. Lá dentro e aqui fora. Quanto mais canastrão e teatral, mais forte é a idolatria e a cegueira. Joga-se com todas as armas."
Portanto, tendo em vista a cegueira de muitos e a frivolidade de outros tantos, certamente Daniel se despedirá de nós amanhã, segunda-feira, perdendo para uma jovem depravada, mentirosa, com sérios traços de sociopatia. Mas, vale dizer, aplaudindo, que ele, Vivian e Ieda são participantes muito dignos, de caráter retilíneo, que, com o bom exemplo de seus valores e princípios morais, nos legam uma valiosa mensagem: que não vale tudo por dinheiro, por fama, e por um reles protagonismo, baseado em comportamentos e atitudes duvidosas e denunciadoras de mau caratismo. Se sair  nesta segunda-feira, sairá de cabeça erguida, tal como saiu Rômulo.